Maceió: guia de praias e atrações

 
Maceió é o lugar que me fez parar por horas na frente do computador, tentado escolher por onde começar. É difícil traduzir em palavras o que é estar em uma das orlas mais bonitas do Brasil, com nuances de água que justificam o merecido título de Caribe Brasileiro. Além disso, essa viagem foi muito especial, ao lado da Beth, do João Victor e do Carlos, amigos muito queridos e de longa data. A sexta começou agitada com a minha lista de tantas coisas, lugares e comidas. Listei aqui as principais praias e atrações, onde comer, onde ficar, o que fazer e outras dicas sobre Maceió, a capital de águas azuis de Alagoas.

Praia da Pajuçara

Praia da Pajuçara

Liga a playlist que harmoniza com Maceió e confira.

Massayó é, ao mesmo tempo, porto e porta. Com suas praias fascinantemente belas, suas piscinas naturais dentro do mar e suas noites sedutoras, faz a gente querer viver (tudo e ao mesmo tempo) todos os seus encantos.

Ahh, as praias de Maceió!

O mar em tons de azul e verde e as piscinas naturais tornam o litoral da capital um dos destinos mais cobiçados por gente do mundo inteiro.

São quatro praias urbanas que fazem a gente não querer piscar, pra não perder um segundo desse mar de brigadeiro. Pajuçara, Ponta Verde, Jatiúca e Cruz das Almas têm tudo que você precisa para ser feliz: barracas animadas, coqueiros com as folhas ao vento, areias fofas, águas mornas e muito alto astral.

No fim de tarde, a ciclovia fica cheia, muitos aproveitam pra andar de bike ou skate e alguns vão simplesmente para apreciar o pôr do sol.

Vida sem Paredes - maceió (2)Da Pajuçara saem os passeios de jangada até a piscina natural, a 2 Km da costa, e já tem até jangadas adaptadas para atender cadeirantes. Mas para valer a pena, é preciso considerar a época certa, e consultar a Tábua de Marés. O ideal é de 0.0 a 0.5. Aí é só colocar o snorkel e contar com quantos peixinhos se faz um fundo do mar colorido.

Ainda no centro urbano estão as praias da Avenida e Sete Coqueiros. Tem a Pontal da Barra e Sobral, mais ao sul, e vale a pena conhecer as mais afastadas, no litoral norte, como Garça Torta, Ipioca, Mirante da Sereia, Pratagy, Riacho Doce, Jacarecica e Guaxuma. Nosso primeiro dia terminou na Pajuçara, andando de caiaque (também tinha stand up lá), e claro, brindando àquele fim de tarde maravilhoso.

Vida sem Paredes - maceió (5)
Mas cuidado!

Infelizmente, as praias urbanas são lindas, mas nem sempre estão próprias para banho. É bom consultar o Relatório de Balneabilidade para saber em quais você pode mergulhar.

Agora, um aviso para quem mora longe da linha do Equador: o dia começa mais cedo, e às 15h já tem sombra por causa dos coqueiros. Por volta das 17h o Sol já se foi, então, acione o despertador se quiser aproveitar mais o dia.

Alagoas abriga ainda algumas praias, como a do Francês, a do Gunga e as de Maragogi, que estão entre as 10 consideradas as mais bonitas do Brasil. Nós conhecemos todas, mas isso é assunto para outro post, em que vou contar nossa aventura por toda a orla do Estado do Alagoas. Essas sim, são paradisíacas e quase intocadas.

Aos amantes da Cultura

Vale a visita ao bairro Jaraguá, que “é a própria história de Maceió”. Foi ali que Maceió começou, cresceu e “tomou” o título de Capital para si. Antes, era da vizinha Marechal Deodoro. Por causa do seu porto que favorecia o comércio, o bairro deu o pontapé na capital e ganhou seus bonitos sobrados que conservam a história da cidade.

No Jaraguá estão vários museus, como a Casa do Patrimônio – Sede do IPHAN que expõe um acervo dos mestres artesãos alagoanos e do Nordeste; o MISA – Museu da Imagem e do Som, que tem um rico acervo e outros registros sobre a história da cidade; a Associação Comercial de Maceió, que abriga os museus do Comércio de Alagoas e da Tecnologia do século 20; o Museu Théo Brandão, que com suas fotografias e folhetos de cordel é considerado a maior referência da Cultura Popular Alagoana; além do Memorial à República, uma área total de 2.500 metros quadrados com vista panorâmica para o mar, 27 mastros com as bandeiras de todos os Estados brasileiros, e as estátuas de bronze que prestam homenagem a dos dois alagoanos ilustres – Marechal Deodoro da Fonseca e Marechal Floriano Peixoto. Esses atrativos são gratuitos ou têm um valor irrisório de ingresso, coisa de R$ 5,00. Nós conseguimos visitar esses 5 até as 14h. E dali, partimos para as “obras de arte” culinárias.

Associação Comercial Maceió

Associação Comercial Maceió

Memorial à República

Memorial à República

São muitas opções para um dia só. Alguns museus ficaram para a próxima: o Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas, no centro, que é um dos mais completos acervos afro-brasileiros do brasileiros e tem, inclusive, a coleção da famosa louça Marajoara e peças de etnografia de grupos indígenas amazônicos; a Casa da Arte (Praia de Garça Torta), Museu da 2ª Guerra (Centro), Pinacoteca Universitária (Centro), Museu de História Natural (Farol), Fundação Teôtonio Vilela, Casa Jorge de Lima, Memorial Pontes de Miranda da Justiça do Trabalho, e o Museu dos Esportes.

A badalação

Anote esses nomes: Lopana e Kanoa são as duas barracas da Ponta Verde para quem gosta de uma música ao vivo, um happy hour e uns bons drinks com gente jovem reunida. Se for pra dançar um forró, o Maikai ou Lampião devem ser as escolhas. Mas para quem, como eu, gosta de dar uma olhada em tudo, basta ir para o bairro Jatiúca, pois é ali que a vida noturna de Maceió acontece: é uma concentração de bares e restaurantes super animados. É dar uma volta e ver qual te convida para entrar! Comemoramos o aniversário do Carlos em um deles, o Filé do Zezé: foi a desculpa para escolher um monte de coisa no cardápio.

Comidinhas

Conhecer o Nordeste e não provar de sua culinária é o mesmo que ir em aniversário e não comer o bolo: não é completo. Se for pizza, o Armazém Guimarães é a escolha. O famoso Chiclete de Camarão da barraca Imperador do Camarão é, no mínimo, inusitado. Mas quando você vê aquela abundância de queijos esticando até a boca…. delícia! O Parmegiano serviu a todos com uma fartura de quantidade e de sabor. O prato principal nem é preciso contar, né! O Wanchako é pra quem gosta de comida peruana. Já a comida regional do Picuí é a mais procurada, mas existem opções com preços mais acessíveis. A Bodega do Sertão é legal porque vende self service à quilo, aí é mais vantagem para quem, como eu, quer experimentar de tudo. Tem o Galego da Buchada no mesmo estilo, menos famoso, mas mais barato. Foi onde eu comi macaxeira, cordeiro, verdura grande e feijão tropeiro (que é meio diferente do mineiro). Não passei mal porque posso comer pedra tranquilamente, mas cuidado, pode ser forte para os principiantes, rs. Para provar a verdadeira tapioca nordestina, vá ao Maria Bonita Tapiocaria, na Ponta Verde.

Depois da praia

A dica é atravessar a avenida perto da barraca Kanoa para um lanche na praça de alimentação na calçada: ali está o café Nakaffa, o japa Nirá Express e a hamburgueria Don Burger. Ou andar em direção à Pajuçara para se refrescar na sorveteria Bali. Tem inúmeras outras opções tanto para os sabores regionais, quanto para os tradicionais. Entre as comidas locais, eu elegi o sururu e a carne de sol as minhas preferidas.

Já no primeiro dia, depois dos museus, nós encontramos um amigo do Carlos, o Marcos, que levou a gente pra comer, e nos apresentou pras resenhas, mesmo a gente mangando dele toda hora por causa do date. (risos) PS: Se você não entendeu, não se preocupe. Quando for para lá, faça um amigo local e ele vai te apresentar às gírias).

Onde Ficar em Maceió:

Pajuçara e Ponta Verde são mais badaladas, mas em toda a orla tem excelentes hotéis, restaurantes, bares, pizzarias, cervejarias, ciclovia e o calçadão com quiosques. Nós ficamos na Ponta Verde em um apê alugado na Booking que eu super recomendo. É a área mais nobre da cidade, ao lado das praias, perto do supermercado, com garagem e toda infraestrutura de um hotel. A dona é super gente boa e deixa até água e toalhas limpinhas! O flat tem ar condicionado, cozinha com utensílios, enfim, a gente se sentiu em casa. (busque na caixa de pesquisa na barra do lado direito por Edifício Edécio Lopes para ver o apê). De um lado a praia Ponta Verde, do outro, a Pajuçara:

Atrações em Ponta Verde e Pajuçara. Distâncias em relação ao apê na Av. Dr. José Sampaio.

Atrações em Ponta Verde e Pajuçara. Distâncias em relação ao apê na Av. Dr. José Sampaio.

O pulo do gato

Para ter mais liberdade, nós alugamos um carro para conseguir visitar todas as praias e ir em União dos Palmares conhecer o Quilombo, que está a cerca de 80 Km de Maceió. Nós retiramos o carro na loja na Praia Jatiúca e combinamos de devolver na loja do Aeroporto, antes de partir. A taxa para isso foi de R$ 16,00. O taxi de Ponta Verde até o Aeroporto era R$ 80,00, então, a economia foi boa. Se decidir alugar, peça para devolver no Aeroporto mesmo se alugar no Centro. Nós não usamos carro no primeiro dia porque do bairro Ponta Verde até o bairro Jaraguá dá menos de R$ 20,00 de táxi.

Como chegar

O Aeroporto Zumbi dos Palmares (MCZ) é pequeno e bem afastado do centro e das praias, fica a cerca de 19 Km da Ponta Verde e o táxi fica uns R$ 80,00 até Ponta Verde. Ele fica na Rodovia BR 104, Km 91, Tabuleiro do Pinto e o telefone é (82) 3036-5200.

Anote

  • A Avenida que percorre toda a orla é a Álvaro Otacílio.
  • Voltagem: 220V

Antes de voltar pra casa

Reserve umas 2 horas para escolher lembrancinhas na Feirinha de Artesanato da Pajuçara, em frente à praia. Fica aberta de 9h às 18h e tem desde os imãs e chaveirinhos até roupas e decoração para sua casa.

Maceió já deu vontade de voltar. É um verdadeiro elixir azul que cura tristezas, ensina que bons momentos valem mais que ouro, e apesar de não te dar a vida eterna, presenteia com lembranças que vão durar para sempre. E é isso que faz a vida ser plena.

E você? Quais foram suas experiências nessa maravilha chamada Maceió?

 

Vida sem Paredes - maceió (6)

Distâncias até Maceió – AL:

276 Km de Aracaju – SE
375 de João Pessoa – PB
259 de Recife – PE


Confira também outras praias e atrações próximas de Maceió:

3 praias imperdíveis de Alagoas

Um dia no Quilombo dos Palmares

>> Você ganhou R$85 em créditos de viagem para usar no Airbnb. Resgate aqui.


Maceió – AL: 932.078 habitantes | 220V

Quando: Abril de 2015

por Camila Coubelle

Follow my blog with Bloglovin

Sobre Vida sem Paredes

Um blog sobre descobertas e viagens, ou vice-versa.
Adicionar a favoritos link permanente.

4 Comments

  1. Muito obrigada, amigo. Vou usar essas dicas hoje mesmo

  2. Pingback:Trilha do Morro Dois Irmãos no Vidigal | vida sem paredes

  3. Pingback:Road Trip Alagoas: praias, sol e coco gelado | vida sem paredes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *