Dicas de atrações na Chapada dos Veadeiros

 

 

A Chapada dos Veadeiros em Goiás é um destino de ecoturismo que encanta por suas diversas cachoeiras, cascatas, trilhas e pelo misticismo. Sobre a energia enigmática de uma enorme pedra de cristal de quartzo e cortada pelo Paralelo 14 (o mesmo que corta a cidade perdida de Machu Picchu), a região tem formações com mais de 600 milhões de anos. Suas atrações instigam aventureiros em busca dos passeios outdoor, místicos entusiastas de ufologia, amantes da meditação e pessoas que querem contato com belezas naturais.

Está localizada no cerrado brasileiro, a cerca de 220 quilômetros de Brasília, entre os municípios de Cavalcante e Alto Paraíso de Goiás, e o distrito de São Jorge, onde está a entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Esses são os destinos para quem quer conhecer a Chapada e cada um tem suas particularidades, que vamos resumir aqui.

Confira as dicas das principais atrações (com mapa), o que fazer, como chegar e onde se hospedar ao visitar a Chapada dos Veadeiros.

Cachoeira das Cariocas, no Parque Nacional

Cachoeira das Cariocas

Flores do cerrado

Chuveirinho do cerrado, Chapada dos Veadeiros - GO

Chuveirinho do cerrado, Chapada dos Veadeiros – GO

 

Como chegar na Chapada dos Veadeiros

 

Entrada de Alto Paraíso de Goiás

 

O aeroporto mais próximo da Chapada dos Veadeiros é o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek em Brasília, a cerca de 220 quilômetros de Alto Paraíso de Goiás.

De carro a partir de Brasília, o acesso é pela BR-020, em direção à Formosa-GO. No trevo, é preciso seguir pela BR-010, sentido Alto Paraíso e depois de cruzar a divisa do Distrito Federal com Goiás, a BR-010 passa a se chamar GO-118. Alto Paraíso é a primeira cidade da Chapada no caminho. Seguindo em frente, são mais 90 quilômetros até Cavalcante. Ou, virando à esquerda após o pórtico de entrada de Alto Paraíso (que faz alusão a um disco voador), está a estrada para São Jorge, pela GO-239, por mais 32 quilômetros de asfalto com ciclovia.

 
>> Se precisar alugar um carro para visitar a Chapada dos Veadeiros, escolha o ponto de partida e compare os preços de todas as locadoras através desse link.

 

>> É possível ir de ônibus até Alto Paraíso de Goiás através da viação Real Expresso, mas a disponibilidade de horários é reduzida. De Alto Paraíso até a vila de São Jorge o acesso pode ser de carona, translado ou ônibus. Consulte horários através do telefone da Rodoviária de Alto Paraíso: (62) 3446-1881.

 

Melhor época

 

A melhor época para visitar a Chapada dos Veadeiros é durante o período mais seco, de maio a setembro. Nessa época, as águas das cachoeiras ficam ainda mais cristalinas e há menos riscos de cabeças d’água. Mesmo assim, fique atento e a qualquer sinal de chuva, saia de perto das cachoeiras. A região fica bastante cheia em feriadões e durante os eventos culturais, como o Encontro de Culturas Tradicionais e a Aldeia Multiétnica, que acontecem no mês de julho. Em maio tem o evento RAÍZES – Grande Encontro de Raizeiros, Parteiras, Benzedeiras e Pajés, mas ao longo do ano a região tem várias ocasiões festivas.

 

Dicas de atrações na Chapada dos Veadeiros

 

  1. Cachoeira Santa Bárbara

 

Cachoeira Santa Bárbara

 

A cachoeira Santa Bárbara é, sem dúvida, um dos destinos mais procurados da região. Muito por conta de sua água de um azul cristalino e sua queda de cerca de 35 metros de altura, que dão um ar de paraíso ao local escondido no meio do cerrado. O acesso à cachoeira é longo, mas feito de carro na maior parte e com apenas 1 quilômetro de trilha. Por estar em uma propriedade privada, a entrada é paga e exige o acompanhamento de guias da região, contratados no centro turístico da comunidade.

  • Entrada: R$ 20,00 | Guia: R$ 70,00 para grupos de até 10 pessoas (maio 2017)
  • Localização: comunidade Kalunga, no vilarejo de Engenho II, zona rural da cidade de Cavalcante, um dos três pontos que ligam os atrativos turísticos da Chapada dos Veadeiros.
  • Estacionamento: Gratuito
  • Horário de funcionamento: de 7h às 17h

 

>> Saiba todos os detalhes de Como chegar à Cachoeira Santa Bárbara

 

  1. Cachoeira da Capivara

 

Cachoeira da Capivara

 

A cachoeira da Capivara fica na área da Comunidade Kalunga de Engenho II. A visita a cachoeira está atrelada ao passeio até a Santa Bárbara, que fica no sentido oposto. É preciso ir de carro por cerca de 2 quilômetros até o início da trilha A Capivara tem duas quedas grandes e intensas e o poço é ótimo para banho. A água gelada ameniza um pouco do calor que faz ali e a vista das pedras é de cair o queixo.

 

  1. Comunidade Kalunga

 

Pintura de uma das mais antigas moradoras da comunidade

 

A Comunidade Kalunga é um símbolo da resistência dos negros da região. É uma das maiores comunidades de remanescentes quilombolas do Brasil, que se formou e construiu sua cultura há mais de 300 anos. A comunidade vive essencialmente do turismo e a renda garante a preservação do meio ambiente e também da cultura local. É um lugar legal para almoçar após o passeio nas cachoeiras Santa Bárbara e Capivara e para comprar produtos locais.

  • Localização: a 28 quilômetros de Cavalcante

 

  1. Mirante da Janela

 

Mirante da Janela – Chapada dos Veadeiros

 

O Mirante da Janela é uma das atrações mais incríveis da Chapada dos Veadeiros. Na trilha de 8 quilômetros (ida e volta), cheia de descidas e subidas por entre pedras já temos uma amostra completa das maravilhas do cerrado. O visual do Mirante é surreal. É difícil imaginar como a natureza pode ser tão perfeita para encaixar as cachoeiras bem no centro da formação rochosa. Simplesmente sensacional!

Não é obrigatório contratar guias, mas caso deseje, pode fazer isso em um dos Centro de Atendimento ao Turista das cidades ao redor. Como está em propriedade particular, a visita ao Mirante da Janela é paga.

  • Entrada: R$ 15,00 com guia e R$ 25, sem guia (maio 2017) | Guia: R$ 150,00 para grupos de até 10 pessoas
  • Localização: A entrada da trilha começa bem perto da vila de São Jorge, a 1 quilômetro do centro, na mesma estrada de terra que dá acesso ao Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Há placas na vila indicando a direção do parque, e há uma placa na bifurcação, indicando a portaria do parque e o Mirante do Abismo (Mirante da Janela).
  • Estacionamento: Gratuito
  • Horário de funcionamento: de 8h às 17h, sendo que os grupos só podem entrar na trilha até às 15h.

 

>> Confira como é a Trilha do Mirante da Janela

 

  1. Cachoeira do Abismo

 

Cachoeira do Abismo

 

A cachoeira do Abismo fica na trilha que dá acesso ao Mirante da Janela. A queda dessa cachoeira é pequena e só se forma em época de chuvas. O poço, também pequeno, é ótimo para dar aquela relaxada. Isso sem falar na incrível vista que se tem lá de cima.

DICA: Deixe para entrar no poço na volta da trilha. Você vai conseguir recuperar as energias da caminhada e ainda corre o risco de ver um lindo pôr do sol.

 

  1. Vale da Lua

 

Crateras

A bela vista da chapada e as piscinas naturais

 

O Vale da Lua é uma formação rochosa similar a encontrada na superfície lunar (daí o nome) criada pelas corredeiras do rio São Miguel. As pedras, de cor acinzentada, têm ondas e crateras que fazem do lugar uma verdadeira obra de arte da natureza. Em uma trilha de cerca de 800 metros, vemos quedas d’água e três ótimos poços que convidam para o banho, com uma água verdinha linda.

A atração está localizada em propriedade particular com banheiros, restaurante e estacionamento, e por isso o acesso é pago.

  • Entrada: R$ 20,00 (maio 2017)
  • Localização: Rodovia GO-239, Km 29 – Vila de São Jorge, Alto Paraíso de Goiás
  • Como chegar: seguindo de São Jorge sentido Alto Paraíso, entre a direita, siga pela estrada de chão de cerca de 4 quilômetros até chegar ao restaurante. Há placas indicando a entrada.
  • Horário de funcionamento: de 7h às 17h30

 

  1. Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

 

Entrada do Parque

Trilha dos Cânions e Cariocas

Vista para o cânion

 

O Parque, que é considerado Patrimônio Mundial Natural da Humanidade pela UNESCO, possui mais de 65 mil hectares de mata nativa do cerrado de altitude. A área abriga diversas espécies de animais (mais de 50 são classificadas como raras) e plantas (cerca de 1.476), inúmeras nascentes e cursos d’água e formações rochosas de mais de um bilhão de anos. As principais atrações do Parque são os Saltos do Rio Preto, duas cacheiras gigantes com 80 e 120 metros de altura, os cânions do Rio Preto e as Cachoeiras Carioquinhas.

Dentro do Parque você pode escolher fazer quatro trilhas diferentes, separadas pelas cores das setas.

 

Travessia das Sete Quedas (setas laranja)

A travessia de 23 quilômetros pode ser percorrida em dois ou três dias. É considerada de nível pesado e o visitante precisa acampar no Parque. O final da trilha fica fora da área do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, na beira da rodovia GO-239 e o turista deve contratar por conta própria o serviço de traslado. Consulte o CAT ou os voluntários do Parque para obter informações sobre os condutores. Para percorrer a Travessia das sete quedas é preciso agendar com, no mínimo, cinco dias de antecedência e está sujeito a lotação máxima de 30 pessoas.

 

Trilha dos Saltos (setas amarelas)

Com aproximadamente 11 quilômetros (contando ida e volta), a trilha oferece aos turistas duas visitas diferentes: Saltos + Corredeiras, considerada de nível pesado; ou somente as corredeiras, com nível de dificuldade moderado. O hikking pode durar de 4 a 6 horas, dependendo do ritmo do visitante ou do tempo gasto nas atrações. Consulte os voluntários do Parque para mais informações.

 

Trilha da Siriema (setas azuis)

Com a caminhada mais fácil do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, a trilha de 800 metros (ida e volta) em terreno plano leva ao córrego Rodoviarinha, onde, na época de chuva, é possível tomar banho e tirar algumas horas para relaxar. Essa atração é indicada para pessoas com dificuldades de locomoção, idoso, grávidas e crianças.

 

Trilha dos Cânions (setas vermelhas)

Essa foi a nossa escolha! Percorremos os 12 quilômetros de extensão da trilha (ida e volta) por um caminho que hora era pedregoso, hora plano, e fomos recompensados com duas atrações incríveis: o Cânion II e a Cachoeira da Carioca. Saindo da entrada do Parque, seguimos as setas vermelhas por cerca de 5 quilômetros até chegar em uma bifurcação. À esquerda, a cachoeira e à direita os Cânions. Começamos seguindo à direita e, 800 metros depois, encontramos blocos de pedra gigantescos e o Cânion com uma vista privilegiada do Rio Preto. Voltando pelo mesmo caminho, há um atalho que leva até às duas quedas da cachoeira das Cariocas. A primeira delas está bem embaixo do Cânion e a outra possui uma queda forte e imponente, um pouco mais adiante. A descida para a segunda cachoeira é íngreme e perigosa. Os pedregulhos ao redor da queda são escorregadios e por isso é importante prestar bastante atenção ao caminhar por ali.

 

Cachoeira das Cariocas

Cânions

Adriano, eu, Carlos, Camila, Bruno e Alexandre na trilha para as cachoeiras

 

  • Entrada: Gratuita
  • Localização: Rodovia GO-239, Km 36 – Vila de São Jorge, Alto Paraíso de Goiás
  • Como chegar: O acesso ao parque é pela vila de São Jorge. Quem sai de Alto Paraíso de Goiás deve seguir por uma estrada asfaltada de 32 quilômetros. É possível ir a pé do centro da vila até a entrada do parque, que fica a menos de um quilômetro por estrada de chão.
  • Estacionamento privado: R$ 15,00 (maio de 2017) | Dica: é possível deixar o carro na vila e seguir a pé pela estrada.
  • Horário de funcionamento: de 8h às 12h, com saída até 18h

 

  1. Jardim de Maytrea

 

O Jardim na Maytrea está intimamente ligado ao misticismo que circunda a chapada dos Veadeiros. Você consegue ver o campo na beira da estrada mesmo, com Buritis enormes e a Pedra da Baleia ao fundo. Para os místicos, Maytrea significa “o próximo Buda”. Eles acreditam que local está rodeados por energias especiais. Só é possível observar o campo à beira da estrada, pois o jardim está localizado dentro do Parque Nacional.

  • Localização: Rodovia GO-239 – estrada entre a Vila de São Jorge e Alto Paraíso de Goiás

 

  1. Pedra da Baleia e Pedra do Elefante Deitado

 

Em meio à vegetação plana do cerrado, não é raro prestar atenção em toda protuberância que apareça na estrada. É assim que você vai ver, em várias estradas que passar, as pedras da Baleia e do Elefante Deitado. A origem desses nomes? Basta olhar com cuidado as suas formas e você rapidamente irá descobrir.

 

A região da Chapada dos Veadeiros ainda abriga uma série de outras cachoeiras e atrações, mas nós precisaríamos de um pouco mais de tempo para conhecer todas. Na listinha pra quando voltarmos está as Cataratas dos Couros, as cachoeiras Almécegas, Loquinhas, dos Cristais e do Segredo, além da Raizama e dos passeios de balão.

Se você estiver planejando conhecer a Chapada dos Veadeiros, pense em um roteiro de acordo com a sua disponibilidade de tempo. O nosso, por exemplo, foi organizado com a ajuda do pessoal do blog Compartilhe Viagens e a dica que eles deram no nosso post 11 dicas de viagens inspiradoras para os feriados 2017.

 

Confira o mapa de atrações para conciliar as que estão próximas:

 

 

Dicas da Chapada dos Veadeiros

 

  1. Nas trilhas, use calçados antiderrapantes e que protejam os pés.
  2. Leve um lanche e bastante água em todas as trilhas.
  3. Não esqueça protetor solar, chapéu e proteja-se do sol escaldante do cerrado.
  4. Procure informações no Centro de Atendimento ao Turista (CAT). Tanto em Alto Paraíso, quando em Cavalcante e São Jorge, eles estão no centro.
  5. Na vila de São Jorge não há postos de gasolina. Não se esqueça de abastecer em Alto Paraíso ou Cavalcante ao visitar as atrações.
  6. Você pode alugar bikes para visitar as atrações, mas prepare-se para pedalar!
  7. Leve dinheiro em espécie, pois alguns lugares não aceitam cartão.
  8. Observe, mas não recolha flores e pedras dos locais que você está visitando, nem maltrate os animais.
  9. Leve seu lixo volta com você, inclusive o lixo orgânico. Preserve a Chapada dos Veadeiros e o meio ambiente.

 

Onde se hospedar: São Jorge, Alto Paraíso ou Cavalcante?

 

São Jorge é a opção mais rústica se comparada com Alto Paraíso de Goiás e Cavalcante. Há muitas pousadas e restaurantes, e os que tivemos oportunidade de visitar eram ótimos. Com ruas estreitas de areia e aquele clima de paz, a vila vive do turismo e estava bem cheia no feriadão prolongado em que estivemos por lá. À noite, as luzes de vela, os sons ao vivo, o vai-e -vem de pessoas circulando dão um charme especial ao lugar. O clima é ameno à noite e a dica é andar a pé pela vila. É a região com as hospedagens mais caras, por ser a mais próxima da entrada do Parque Nacional. Mesmo assim, muitas pessoas preferem se hospedar no povoado ou em Alto Paraíso, distante apenas 32 quilômetros pelo asfalto. Além da facilidade de acesso ao Parque, ainda é possível desfrutar de várias atrações no caminho entre as duas cidades.

Em Alto Paraíso as pousadas são mais estruturadas e até mais baratas. Há hotéis, hostels, campings e boas opções de bares e restaurantes. A cidade abriga turistas e até moradores que vêm do mundo todo atrás de seu misticismo. Dizem que a cidade está numa boa localização para avistar discos voadores.

Cavalcante, que integra parte do Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga, é a opção menos procurada pelos turistas, mas ainda assim, com uma boa oferta de campings e pousadas, além de casas para aluguel de temporada. Pode ser uma boa opção para quem quer o sossego de um lugar menos turístico ou pretende conhecer melhor a região da comunidade Kalunga.

Nós ficamos hospedadas no Camping Taiuá Ambiental, em São Jorge, que sem dúvida, é um dos melhores que já estivemos. Fica na rua principal da vila, com portaria é 24 horas e é super organizada. O camping tem cozinha equipadíssima e áreas de convivência aconchegantes, é todo plano, tem banheiros suficientes e organizados. Além disso, oferece alguns tipos de massagem pagas à parte, e barracas já equipadas, que facilitam para quem viaja de longe.

Confira fotos e outras informações sobre o lugar nesse link, ou se preferir, veja outras opções de hospedagem na região e reserve na Booking.com através desse link. (Ao reservar através de nossos links você ajuda o blog vida sem paredes a continuar compartilhando dicas de viagem sem pagar a mais por isso. Obrigada!)

 

Onde comer

 

Na Vila de São Jorge, comemos em três lugares que recomendamos muito:

 

  • Restaurante da Nenzinha – restaurante self-service tradicional na vila, com comida caseira, típica e muito saborosa.
  • Endereço: Rua 6, Vila de São Jorge | Telefone: (62) 3455-1023

 

  • Santo Cerrado Risoteria e Café – com decoração rústica a meia luz e espaços iluminados com velas, a risoteria é um ótimo lugar para comer bem, tomar um bom vinho e curtir uma música ao vivo. Lugar aconchegante para os amantes da gastronomia gourmet.
  • Endereço: Viela C, Vila de São Jorge | Telefone:  (61) 9997-41150

 

  • Luar com Pimenta – o restaurante tem estilo rústico, com mesas de pedra e luz baixa. No cardápio tem opções de carnes, massas, petiscos e pizzas. Nós comemos as pizzas e estavam deliciosas.
  • Endereço: Rua 12, Quadra 06, Vila de São Jorge | Telefone: (62) 3455-1142

 

Já em Alto Paraíso, experimentamos o restaurante Alquimia do Sabor. No estilo self-service, o cardápio vegano e vegetariano surpreende pela diversidade e pelo sabor.

  • Endereço: Rua Vergílio Rodrigues, 2-196, Alto Paraíso de Goiás

Vale a pena também comer em um dos restaurantes da comunidade Kalunga, em Cavalcante. O almoço geralmente está associado ao passeio pela Cachoeira Santa Bárbara e os turistas são direcionados pelos guias. Nós comemos no restaurante da Dona Maria, que nos recebeu com um sorriso no rosto e um cardápio farto de comidas típicas da região feitas no fogão à lenha.

E não deixe de provar os sucos de frutas típicas como araticum, cajá-manga, cagaita, mangaba, buriti, graviola e outros. Delícia!

Mangaba, buriti e cagaita

 
>> Faça uma cotação do seu seguro viagem através desse link e aproveite com tranquilidade. Use nosso CUPOM DE DESCONTO EXCLUSIVO e ganhe 5% de desconto no seu seguro.

Cupom: VIDASEMPAREDES5


 

Chapada dos Veadeiros – GO | 1.000 metros de altitude
Data da viagem: maio de 2017

por Nange Sá

Sobre Vida sem Paredes

Um blog sobre descobertas e viagens, ou vice-versa.
Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *