Chapada dos Veadeiros: como chegar na cachoeira Santa Bárbara

 

 

Quem visita a Chapada dos Veadeiros, em Goiás, tem um leque gigantesco de opções de passeios outdoor, mas a cachoeira Santa Bárbara é, sem dúvida, um dos destinos mais procurados da região. Muito por conta de sua água de um azul cristalino e sua queda de cerca de 30 metros de altura, que dão um ar de paraíso ao local escondido no meio do cerrado.

A cachoeira Santa Bárbara está localizada na comunidade Kalunga, no vilarejo de Engenho II, zona rural da cidade de Cavalcante, um dos três pontos que ligam os atrativos turísticos da Chapada dos Veadeiros – que ainda conta com a cidade de Alto Paraíso de Goiás e a vila de São Jorge. Por estar em uma propriedade privada, o acesso à cachoeira é pago e exige o acompanhamento de guias da região, contratados no centro turístico da comunidade.

Nesse post vamos te dar algumas dicas de como chegar até a cachoeira mais cobiçada da Chapada dos Veadeiros, como contratar e como funciona o passeio, o que levar na mochila e onde comer na comunidade.

 

Como chegar na Chapada dos Veadeiros

 

O aeroporto mais próximo da Chapada dos Veadeiros é o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek em Brasília. Está a cerca de 220 quilômetros de Alto Paraíso de Goiás, a primeira cidade que circunda a Chapada para quem faz esse caminho. Os visitantes podem escolher ela, a vila de São Jorge (nosso caso), ou Cavalcante, a mais próxima da cachoeira Santa Bárbara.

De carro a partir de Brasília, o acesso é pela BR-020, em direção à Formosa-GO. No trevo, é preciso seguir pela BR-010, sentido Alto Paraíso e após cruzar a divisa do Distrito Federal com Goiás, a BR-010 passa a se chamar GO-118. Logo no pórtico de entrada de Alto Paraíso está a conversão à esquerda em direção a São Jorge, por mais 32 quilômetros, ou a continuidade até Cavalcante, por mais 90 quilômetros.

 

Como chegar à comunidade Kalunga

 

Antes de saber o caminho para a comunidade é preciso pensar no seu ponto de origem. Se você está hospedado na vila de São Jorge, precisa sair cedo e percorrer os 122 quilômetros de asfalto até Cavalcante. Mas se resolveu ficar em Alto Paraíso, a distância cai para 90 quilômetros.

Já em Cavalcante, siga a placa que indica para o Engenho Vão do Moleque. No caminho você verá outras placas com a indicação “cachoeira Santa Bárbara”. Se desejar, você pode passar no Centro de Atendimento ao Turista (CAT) logo na entrada de Cavalcante. Lá, você receberá informações de como chegar na comunidade Kalunga. São 28 quilômetros de estrada de chão em condições razoáveis até o Centro de Atendimento ao Turista da comunidade Engenho II. A vila é pequena e há placas indicando o CAT, que conta com estacionamento, banheiros e até uma loja comunitária que vende quitandas típicas da região, souvenires e artesanato, tudo produzido pelos moradores.

Kalunga é uma das maiores comunidades de remanescentes quilombolas do Brasil, que se formou e construiu sua cultura há mais de 300 anos. A comunidade vive essencialmente do turismo e a renda garante a preservação do meio ambiente e também da cultura local. Esse cuidado faz jus à origem do nome Kalunga, que na língua banto, de raíz africana, significa lugar sagrado, de proteção. O local é reconhecido como Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga e faz parte do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, reconhecido como Patrimônio Natural Mundial pela Unesco. Visite o site da comunidade.

 

Como contratar o passeio

 

É no CAT da comunidade que vamos preencher os formulários de acesso, pagar pela entrada na cachoeira (o pagamento é feito no momento do cadastro) e contratar o guia, que recebe assim que retornamos do passeio. Os guias geralmente são jovens da própria comunidade.

A entrada custou R$ 20,00 por pessoa e o (a) guia, R$ 70,00 para um grupo de até 10 pessoas (valores de maio de 2017) pelo acesso às cachoeiras Santa Bárbara e Capivara. Na alta temporada e nos feriados, o número de turistas aumenta e, se você estiver em um grupo pequeno, pode se juntar a outro até dar as 10 pessoas por guia.

No CAT em Cavalcante também é possível contratar guias, mas preferimos fazer isso na comunidade.
 




 

Como é a trilha para as cachoeiras Santa Bárbara e Capivara

 

Depois de preencher os formulários e contratar o guia, seguimos de carro para uma das duas trilhas da região. Para não superlotar ambas a cachoeiras, os guias se revezam na ordem das visitas. Nós começamos pela cachoeira da Capivara, enquanto alguns grupos começaram pela Santa Bárbara e finalizam a trilha na Capivara.

 

 

Cachoeira Capivara

 

Do CAT do Engenho II, seguimos por uma estrada de chão de mais ou menos 2 quilômetros até um estacionamento. A estrada é cheia de grandes buracos, então vá com cuidado. Deixamos o carro e seguimos por uma trilha de cerca de 600 metros, que não é difícil, mas é um pouco acidentada, com descidas em pedras. Exige atenção e um pouco de preparo para subir e descer “os degraus” que levam até a cachoeira.

A cachoeira da Capivara tem duas quedas grandes e intensas e o poço é ótimo para banho. A altura é de cerca de 40 metros e as quedas vêm dos rios Capivara e Tiririca, que formam um poço enorme. A água gelada ameniza um pouco do calor e a vista das pedras é de cair o queixo. Os guias dão, geralmente, de 30 a 40 minutos para que possamos aproveitar um pouco dessa delícia de lugar. Depois partimos para a Santa Bárbara. Lembre-se, tudo o que descemos para chegar à cachoeira, na volta se torna subida, então nada de moleza! Antes de subir, no entanto, você pode tomar um fôlego no mirante que dá para o Cânion Vão do Moleque.

Descida para a Cachoeira da Capivara

Cachoeira da Capivara

As duas quedas: Rio Capivara e Rio Tiririca

 

Cachoeira Santa Bárbara

 

Pegamos o carro e seguimos para o sentido oposto. Passando novamente pela vila, seguimos na estrada para a cachoeira Santa Bárbara. O trajeto de cerca de um quilômetro é bem acidentado e é preciso ir com cautela. Há um ponto onde a maioria dos carros comuns fica estacionado. Quem tem veículo 4×4 pode seguir pela estrada por mais 4 quilômetros até o ponto mais próximo da cachoeira. Aqueles que não querem dirigir no terreno acidentado e não querem correr o risco de estragar o carro (vimos alguns turistas parados na estrada), podem fazer esse trecho a pé ou pegar o transporte oferecido pelos moradores. Geralmente são caminhonetes cabine dupla que carregam os turistas também em bancos improvisados na carroceria. Dali até a trilha são mais 4 quilômetros e o transporte custa R$ 5,00 por pessoa (maio de 2017).

Iniciamos a caminhada ainda na estrada e pegamos a bifurcação à esquerda, com destino à trilha de um quilômetro até a cachoeira Santa Bárbara, passando por trechos de subida, pontes e pedras. Lembre-se de levar bastante água, pois não há muita sombra no caminho. Nos trechos de subida, há um manejo para ordenar o trajeto. Segundo a nossa guia Sueli, as cercas foram feitas para evitar que os turistas passem pela rota das enxurradas, que causam erosão.

O finalzinho da trilha é o que exige maior atenção. Isso porque passamos por muitas pedras e raízes de árvores que preservam a cachoeira. Antes de chegar ao final, somos presentados com a cachoeira Santa Barbarazinha, tão bonita quanto a mãe, mas pouco aproveitada pelos turistas por conta da pequena queda. São cerca de 4 metros sobre um poço pequeno. Andando – e subindo – mais um pouco pelas pedras, voilá, a imponente Santa Bárbara e suas águas cristalinas.

O poço de tonalidade azul turquesa é bem grande e a queda de 30 metros é linda. O local é mesmo paradisíaco como a gente esperava, todo cercado por pedras e raízes e com a água extremamente límpida. É possível chegar até a queda, subir nas pedras e ficar atrás da água, desfrutando da energia do lugar. Cada grupo pode permanecer 1 hora na cachoeira Santa Bárbara e aproveitamos cada segundo desse tempo no paraíso.

Estrada para Cachoeira Santa Bárbara

Trilha

Cachoeira Santa Barbarazinha

Santa Bárbara

E essa água cristalina?

 

DICA: o melhor horário para pegar o sol refletindo na água é no período da manhã.

Leia também: Mirante da Janela: a atração incrível da Chapada dos Veadeiros

Dicas para o passeio até a cachoeira Santa Bárbara e cachoeira Capivara

 

Chegar à cachoeira Santa Bárbara não é muito difícil, tendo você experiência em trilhas ou não. Mas para não ter perrengue, veja algumas de nossas dicas:

 

  1. Se você estiver visitando a Chapada dos Veadeiros sem carro, é possível contratar o passeio até as cachoeiras em Alto Paraíso ou São Jorge.
  2. Use protetor solar e repelente.
  3. Não faça a trilha de chinelo, pois há alguns trechos de pedra que podem ser escorregadios. Vá de tênis ou botas de trekking.
  4. Leve lanches leves e bastante água.
  5. Não coloque muito peso na mochila, principalmente se não tiver um bom condicionamento físico.
  6. Cada grupo só pode permanecer por uma hora na cachoeira, aproveite o tempo se divertindo e caprichando nas fotos.
  7. Abasteça o seu carro antes de subir a estrada de terra que liga Cavalcante à comunidade Kalunga. Não há posto de gasolina por lá.
  8. Você não vai encontrar lugares que aceitam cartões de crédito ou débito na comunidade, portanto, leve dinheiro em espécie.
  9. Na alta temporada a cachoeira fica muito cheia. Se a sua ideia é ter a cachu só pra você, a nossa dica é: acampe na comunidade Engenho II e saia beeeem cedinho.
  10. As cachoeiras são abertas para visitação de 7h às 17h e o último passeio sai às 15h do CAT. Fique atento aos horários e programe-se.
  11. Não deixe seu lixo na cachoeira, leve-o junto com você e descarte em uma lixeira assim que possível.
  12. Respeite os moradores da comunidade, seus costumes e sua cultura.

 

Onde comer na comunidade Kalunga

 

Na comunidade existem vários restaurantes e os guias sempre direcionam os turistas para alguns deles. Mas é preciso reservar o seu almoço antes de pegar a trilha, viu.

Nós comemos no restaurante da Dona Maria, bem em frente à Capela da comunidade. O almoço saiu por R$ 30,00 por pessoa (maio de 2017) e nós ainda saboreamos os sucos com frutos típicos do cerrado: mangaba e buriti. A jarra custa R$ 10,00 e o copo R$ 3,00 (maio de 2017). Isso sem contar a simpatia com que fomos recebidos pela Dona Maria.

Restaurante da Dona Maria

 

Hospedagem na Chapada dos Veadeiros

 

Quem quiser se hospedar na comunidade Kalunga, pode se instalar em um dos campings ou em casas de moradores que alugam quartos. Mas se você não quer carregar o peso de uma barraca ou prefere ficar em uma pousadinha daquelas bem charmosas, pode reservar estadias nas cidades de Cavalcante, Alto Paraíso de Goiás ou na vila de São Jorge (porta de entrada para o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros).

Veja outras opções de hospedagem na Chapada dos Veadeiros e reserve na Booking.com através desse link. (Ao reservar através de nossos links você ajuda o blog vida sem paredes a continuar compartilhando dicas de viagem sem pagar a mais por isso. Obrigada!)


>> Se precisar alugar um carro para visitar a Chapada dos Veadeiros, escolha o ponto de partida e compare os preços de todas as locadoras através desse link.

 >> É possível ir de ônibus até Alto Paraíso de Goiás através da viação Real Expresso, mas a disponibilidade de horários é reduzida. De Alto Paraíso até as outras cidades da Chapada dos Veadeiros  o acesso pode ser de carona, translado ou ônibus. Consulte horários através do telefone da Rodoviária de Alto Paraíso: (62) 3446-1881.


Cachoeira Santa Bárbara, Chapada dos Veadeiros – GO
Data da viagem: maio de 2017

 

por Nange Sá

Sobre Vida sem Paredes

Um blog sobre descobertas e viagens, ou vice-versa.
Adicionar a favoritos link permanente.

Um Comentário

  1. Pingback:Cachoeira Santa Bárbara e Capivara: Chapada dos Veadeiros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *