• Pacotes para Trilha Inca Machupicchu e Trilha Salkantay

6 motivos para visitar as fazendas de queijo Canastra

 

O queijo Canastra é um dos mais importantes produtos típicos de Minas Gerais, considerado Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro pelo IPHAN desde 2008. Visitar as fazendas produtoras do autêntico queijo da região da Serra da Canastra, no sudoeste de Minas Gerais, é uma experiência gastronômica deliciosa para os amantes de sabores únicos. Nós visitamos a região, que fica um pouco abaixo do Triângulo Mineiro, e conhecemos fazenda, produção, provamos os queijos e claro, trouxemos um monte para casa!

Confira aqui por que vale a pena visitar, além de informações e dicas para quem pretende comprar o delicioso queijo Canastra direto da fazenda. No fim do post também tem uma dica valiosa para quem quiser receber o queijo Canastra em casa, comprando online através da Queijaria Alpi. Perfeita para quem precisa de tempo para planejar uma visita às fazendas, mas não quer esperar para degustar essa especiaria mineira.

O Canastra é primo distante do queijo da Serra da Estrela de Portugal, trazido pelos imigrantes da época do Ciclo do Ouro.

 

6 motivos para visitar as fazendas de queijo Canastra:

 

  1. Conhecer um premiado Patrimônio de Minas

 

O queijo mineiro da Serra da Canastra é feito de leite cru e tem um sabor forte e meio picante, consistência encorpada e massa compacta. Sua produção artesanal, sua receita exclusiva de mais de 200 anos e sua fama que conquista os paladares mundo a fora o tornaram Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro. A região tem o terroir perfeito e centenas de produtores que guardam muito da história de Minas. Terroir é a união das condições de clima, altitude, pastos nativos e as águas da Serra da Canastra. Somente em sete cidades da região há o título de indicação geográfica que dá aos queijos produzidos ali o selo de origem do autêntico queijo canastra, alguns deles, premiados nacional e internacionalmente. As cidades são Bambuí, Delfinópolis, Medeiros, Piumhi, São Roque de Minas, Vargem Bonita e Tapiraí, mas claro, é possível encontrar queijos dessas cidades em outros lugares da região e do país.

 

  1. Descobrir a história do queijo pela voz de quem faz

 

Durante a visita a fazenda, cada um do seu jeitinho conta com orgulho como as receitas foram trazidas da Europa durante o ciclo do Ouro, como foram aprimoradas e passadas de pai para filho até as gerações atuais. Os produtores atendem os visitantes em suas fazendas com muito carinho e explicam – com o brilho nos olhos de quem tem muito orgulho – como fazem o queijo. O Canastra Tradicional é feito com cerca de dez litros de leite cru para produzir uma peça com peso entre 1kg e 1.3kg, porém existem variações como o Queijo Canastra Merendeiro, com cerca de 300 gramas e o Canastra Real, entre 4 e 6 kg e 40 cm de diâmetro.

Em todas as fazendas o processo é o mesmo: primeiro vem a ordenha. Depois, na chamada “casa de queijo”, o leite é colocado em um tanque e recebe o coalho e o “pingo”, que é o segredo de tudo. Trata-se de uma espécie de fermento líquido, extraído da produção do dia anterior. O Sr. João Carlos Leite, da Fazenda Agro-Serra ainda nos explicou sobre a talha do leite e o trabalho manual de espremer e colocar em moldes redondos. Por cima da massa compactada, vai o sal grosso. Por baixo da forma, o soro escorre finalizando um processo que dura 24 horas. Só então o queijo sai dos moldes e vai para uma prateleira arejada. Depois de pelo menos uma semana de maturação ele adquire a cor dourada e o sabor perfeito de um queijo artesanal meio curado, mas algumas peças ficam maturando por até dois anos. Em algumas fazendas podemos acompanhar todo o processo de perto nas primeiras horas do dia, mas os grupos maiores precisam agendar por telefone.

 

  1. Degustar o queijo Canastra

 

O melhor de visitar as fazendas que produzem o queijo Canastra é poder experimentar tudo, inclusive peças em diferentes etapas de maturação, o que permite uma comparação e deixa mais evidente as diferentes características entre elas. Esse queijo deve ser consumido curado ou meio curado, com pelo menos uma semana de maturação. Com o passar dos dias ele adquire uma bela cor dourada e vai enrijecendo de fora para dentro. Eu adorei todos, mas o Canastra Real é sem comparação! Ele é mais cremoso e todo furado, lembra um queijo gruyère e foi criado antigamente para presentear pessoas importantes que visitavam as fazendas. Antes, era chamado de Canastrão, por seu tamanho com cerca de 6 kg, mas quando foi registrado, criaram um nome mais “classudo” para ele, digno de todo o seu valor. Também provamos uma peça com mais de um ano de maturação, que a torna completamente diferente. Se assemelha a um queijo parmesão mais forte, e junto da prova vem a explicação do Sr. João Carlos de como se deve fazer: colocar um pequeno pedaço na boca, amaciá-lo e só engolir depois de sentir uma “explosão de sabor”. Sem dúvida, assim a experiência se torna muito mais rica.

 

Canastra Real

Com mais tempo de maturação

 

[ DICA ] O queijo Canastra harmoniza com cerveja gelada, cachaça ou vinho tinto e é muito procurado por chefs de cozinha para incrementar suas receitas.

 

  1. Valorizar a cultura e a história de Minas

 

Dizem que o mineiro come quieto. E foi comendo pelas beiradas que esse mineirinho ousado ganhou o mundo. Ainda no Brasil Colônia do século XVIII, os exploradores de ouro chegaram às fazendas mineiras trazendo a prática da produção artesanal do queijo, que se adaptou à cultura regional, e atualmente representa uma das mais significativas e importantes manifestações tradicionais da região. Há mais de 200 anos sua receita é produzida do mesmo jeito. Ele já foi alavanca para a economia mineira e hoje é um dos maiores produtos da gastronomia do Estado. Sem perder a mineirice e mantendo as raízes na sua comunidade, o queijo Canastra artesanal conquistou o país e muito mais, aumentando a lista dos tesouros com que Minas Gerais brindou o mundo.

 

  1. Vivenciar o turismo de experiência

 

Mais do que apenas viajar para a região da Serra da Canastra, visitar essas fazendas produtoras de queijo, fazer essa imersão na história e degustar os produtos proporciona sensações e sentimentos únicos, impossíveis de serem experimentados em qualquer outro lugar do mundo. Não é difícil encontrar o queijo Canastra em vários lugares do Brasil, mas só ali a experiência de saboreá-lo será enriquecida por valores intangíveis que farão toda a diferença ao se lembrar do momento. Será mais significativo, prazeroso e pessoal, sem os moldes do turismo de massa do mercado.

 

  1. Comprar o queijo Canastra direto da fazenda

 

O Queijo Canastra pode ser encontrado diretamente em diversas fazendas produtoras situadas nas redondezas e proximidades do Parque Nacional da Serra da Canastra. É chegar, ser recebido com muita hospitalidade, degustar e escolher o que levar para casa. Dá para comprar peças menores e até “no quilo”. Dá até para encomendar por telefone, deixar maturando por dois anos e buscar pessoalmente depois. O Sr. João nos contou que ele coloca o nome do cliente em cima do queijo.

 

[ DICA ] Lembre-se que as fazendas ficam na área rural, não têm sinal de internet e não oferecem opção de pagamento com cartão de crédito.

 

 

Para conservar o queijo da Canastra em casa é preciso mantê-lo sempre em local fresco e ventilado, de preferência, descansando sobre um prato ou uma tábua de madeira e virando uma vez por dia. Você pode conferir aqui como conservar seu queijo Canastra e como preparar receitas deliciosas com ele.


 
Confira alguns dos mais conhecidos produtores de São Roque de Minas, com queijos renomados que experimentamos, trouxemos para casa e recomendamos:

Fazenda Agro-Serra – Produtor João Carlos Leite

  • R$ 50,00 (tradicional) e R$ 180,00 (o quilo do Canastra Real, vendido inteiro ou em pedaços)
  • É a fazenda mais próxima da cidade, a cerca de 2 quilômetros na estrada de terra – que até a fazenda é bem plana – para o Parque Nacional da Serra da Canastra.
  • Endereço: Estrada Parque Nacional da Serra da Canastra, Km 2, s/n – Zona Rural, São Roque de Minas
  • Telefone: (37) 99816-4615

Fazenda São Bento – Produtor Zé Mário

  • R$ 60,00 (tradicional) e R$ 35,00 (pequeno)
  • É um dos produtores mais conhecidos e premiados.
  • A Fazenda São Bento fica na estrada para Bambuí / Cachoeira do Cerradão, a cerca de 7 quilômetros de São Roque, no Km 4,5.
  • Telefone: (37) 99964-0614

Queijaria Alpi

  • R$ 70,00 (meia cura – 1 kg) | R$ 90,00 (Canastra Real – 1 Kg) | R$ 360,00 (Canastra Real – peça 4 kg)
  • Essa é a dica para quem quer comprar o queijo Canastra pela internet e receber no conforto do lar. O Queijo Alpi é feito em Piumhi, uma das sete cidades produtoras do autêntico Queijo Canastra. De modo artesanal, valorizando a boa gastronomia e o prazer à mesa, os queijos são feitos pelas mãos de uma família que há mais de cinquenta anos cultiva a arte de fazer queijo. O queijo Canastra meia cura e o Canastra Real são deliciosos, com a possibilidade de compra online. Basta entrar no site, escolher o(s) queijo(s) e receber em casa.
  • Clique aqui para conhecer ou comprar os queijos.
  • Contato: ola@queijariaalpi.com.br | Instagram

 


 
Há mais de 700 produtores de queijo Canastra na região da serra de mesmo nome. Se você visitar as cidades do entorno, encontra facilmente fazendas e mais fazendas para ficar provando queijos por uns 2 anos!

por Camila Coubelle

 


Organize sua próxima viagem aqui!
 

>> Veja as opções de hospedagem para o seu próximo destino e reserve na Booking.com através desse link. (Ao reservar através de nossos links você ajuda o blog vida sem paredes a continuar compartilhando dicas de viagem sem pagar a mais por isso. Obrigada!)

 
>> Se precisar alugar um carro para viajar, escolha o ponto de partida e compare os preços de todas as locadoras através desse link.

 
>> Faça uma cotação do seu seguro viagem através desse link e aproveite com tranquilidade. Use nosso CUPOM DE DESCONTO EXCLUSIVO e ganhe 5% de desconto no seu seguro.

Cupom: VIDASEMPAREDES5


Esse post faz parte de uma Blogagem Coletiva de blogs membros da Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem – RBBV com o tema Gastronomia da minha região. Confira também os artigos dos outros blogueiros participantes:

> Austrália

> Brasil

> Espanha

> EUA

> Grécia

> Itália

Sobre Vida sem Paredes

Um blog sobre descobertas e viagens, ou vice-versa.
Adicionar a favoritos link permanente.

24 Comments

  1. Queijo maravilhoso!

  2. Pingback:Blogagem coletiva: Gastronomia da minha região - Médio Vale do Itajaí

  3. Nossa, esse queijo parece muito bom. Quando voltar a Minas, não vou deixar de provar. Amei o post.

  4. Pingback:7 comidas populares na Austrália que você deve provar | Like Wanderlust

  5. Pingback:5 comidas para provar em Seattle | Livre & Leve

  6. Melhor queijo sem duvida alfuma canastra

  7. Adorei o texto! De dar água na boca por esse produto tão importante em nossa cultura.

  8. Adorei o post!!! Esse queijo da Serra da Canastra é tudo de bom.

  9. Eu adoro e apoio esse tipo de turismo! Acompanhar de perto um processo de produção além de ser uma bagagem de conhecimentos nos resde umas boas beliscadas hehehe Amei o post 🙂

  10. Pingback:10 comidas típicas de Pernambuco - Cantinho de Ná

  11. Como queria um queijo inteiro desses! Manda aqui pra Austrália! Hahaha abraços.

  12. Hum, amo queijos. Muito interessante esse tour.

  13. Boa noite poderia me informar onde acho queijo da canastra aqui em São Paulo

    • Oi Adão! Nos disseram lá nas fazendas que enviam muitos queijos para SP, RJ e MG, porém não saberia te dizer para quais lugares. Talvez no Mercado Municipal, não!? Se encontrar, nos avise!

  14. Muito boa estes artigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *