• Pacotes para Trilha Inca Machupicchu e Trilha Salkantay

Mirante da Janela: atração incrível da Chapada dos Veadeiros

 

 

O Mirante da Janela é uma das atrações mais incríveis da Chapada dos Veadeiros. Na trilha de 8 quilômetros (ida e volta) com visuais privilegiados já temos uma amostra completa das maravilhas do cerrado. Plantas, cantos de pássaros, flores coloridas e o céu mais incrível do país compõem um cenário de rara beleza. Perfeito para avistar os saltos do Rio Preto lá embaixo, emoldurados pela formação rochosa que dá nome ao lugar.

A Chapada dos Veadeiros é um destino de ecoturismo que encanta por suas diversas cachoeiras, cascatas, trilhas e pelo misticismo. Sobre a energia enigmática de uma enorme pedra de cristal de quartzo e cortada pelo Paralelo 14 (o mesmo que corta a cidade perdida de Machu Picchu) a região tem formações com mais de 600 milhões de anos. Está localizada entre os municípios de Cavalcante e Alto Paraíso de Goiás, a cerca de 220 quilômetros de Brasília. Porém, a entrada do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros fica no distrito de São Jorge, a 32 km de Alto Paraíso de Goiás. A vila rústica está perto de muitas atrações, incluindo a trilha que vamos contar nesse post.

Confira as dicas sobre a trilha e como chegar ao Mirante da Janela, como é a vila de São Jorge e onde se hospedar ao visitar a Chapada dos Veadeiros.

Mirante da Janela – Chapada dos Veadeiros

 

Entrada da Trilha para o Mirante da Janela

 

A entrada da trilha de 8 quilômetros começa bem perto da vila de São Jorge, na mesma estrada de terra que dá acesso ao Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Há placas na vila indicando a direção do parque, e há uma placa na bifurcação, indicando a portaria do parque à esquerda e o Mirante do Abismo (Mirante da Janela) à direita. Esse trecho de estrada de terra tem menos de 1 quilômetro de extensão e dá até para ir a pé. O estacionamento é pequeno e em alta temporada e feriadões enche rápido. Uma dica é deixar o carro na vila e circular a pé por ela.

Início da trilha

 

Mirante da Janela na Chapada dos Veadeiros

 

Ao final da estrada, a trilha inicia cheia de pedrinhas e uma pequena descida, rodeada da vegetação do cerrado e algumas plantas e flores bem bonitas. Com pouco tempo de caminhada, passamos em um posto de fiscalização onde está a portaria, já que é uma área privada. O ingresso custa R$ 15,00 para quem está com guia e R$ 25,00 para quem está sem guia (maio de 2017). A contratação não é obrigatória, mas foi impossível recusar a oferta do serviço do simpático Seu Dedé (Adelídeo). Quando paramos para verificar informações no Centro de Atendimento ao Turista (CAT), no centro da vila, ele estava lá, super animado. Sua simpatia, disposição e profundo conhecimento das plantas e de todos os detalhes do cerrado enriqueceu demais nossa experiência.

Depois de passar pela portaria, a trilha continua aberta e plana até a Cachoeira do Abismo, que é pequena e se forma apenas no período chuvoso. Tivemos sorte de pegar o poço com água suficiente para refrescar, mas não paramos na ida, pois começamos a trilha já eram mais de 14h. Chegamos à cachoeira às 15h.

CAT no centro da vila e portaria logo após o início da trilha

Seu Dedé dando a direção logo após a portaria

Primeiro visual arrebatador

Repare no corrimão de madeira logo após a cachoeira do Abismo

Após a cachoeira há uma escada de madeira e daí em diante passamos por muitas pedras e trechos inclinados que se intercalam com os espaços planos. Em mais alguns pontos, escadas de tronco de madeira e corrimãos auxiliam o visitante. Há algumas marcações brancas nas pedras indicando o caminho.

Seu Dedé ia mostrando todas as plantas e ensinando para que servem, orgulhoso das riquezas do seu cerrado. Vez ou outra, tirava uma gaitinha do bolso e tratava de incluir uma trilha sonora na nossa caminhada. Nem vimos passar a hora inteira de caminhada da cachoeira até o Mirante da Janela, mesmo com a subida mais íngreme do último trecho. Mas fique tranquilo, não é longa.

Trechos inclinados pelas pedras

Segue o sobe-e-desce

Chegando lá, por volta das 16h, esperamos o último grupo terminar as fotos e a atração foi toda nossa, para admirar e recompensar a caminhada. Estamos a pouco mais de 1.000 metros de altitude e existe um mirante mais alto, onde a vista panorâmica é incrível, e mais abaixo, o Mirante da Janela, que emoldura os saltos de forma única.

Os dois saltos do Rio Preto estão dentro do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, que é Patrimônio Mundial Natural da Humanidade (UNESCO). Chamados de Saltos I e II do Rio Preto, eles têm respectivamente 120 e 80 metros de altura. Do Mirante da Janela, que está fora do parque, avistamos as duas quedas e o poço, além de formações rochosas e dos contornos da chapada. Sem dúvida, um visual arrebatador.

Mirante da Janela, com vista para os Saltos I e II do Rio Preto

Mirante acima

 

A Cachoeira do Abismo

 

Depois de várias fotos e alguns minutos de contemplação, começamos a descer ansiosos pela Cachoeira do Abismo. A escolha do horário e a atenção ao tempo foram perfeitas. Quando chegamos ao poço, os últimos grupos se preparavam para ir embora e o céu já se coloria convidando para um pôr do Sol maravilhoso, típico do cerrado.

As águas da Cachoeira do Abismo são claríssimas e não estavam geladas, coroando nossa experiência do jeitinho que a gente adora. De dentro do poço a cachoeira dá uma impressão de borda infinita, e com o céu com as cores que presenciamos, o cenário estava incrível!

A queda estava bem pequena

Vista de dentro do poço

O pôr do sol incrível

 

Para melhorar ainda mais, a gaita do Seu Dedé acompanhando os cantos dos pássaros do cerrado.

Depois que o sol se põe, o dia escurece rápido, tratamos de correr para terminar a trilha sem precisar usar lanterna e com meia hora chegamos de volta à portaria. Dali para frente tivemos que pegar lanternas, mas o trecho é plano, aberto e bem curto até o estacionamento. Em cerca de 15 minutos já estávamos no carro seguindo para a vila felizes pelo visual e pelos momentos da nossa primeira atração na Chapada dos Veadeiros. O Mirante da Janela é mesmo imperdível!

 

Leia também: Como chegar na Cachoeira Santa Bárbara

 

Dicas para a trilha do Mirante da Janela e Cachoeira do Abismo

 

  1. A trilha não é pesada para quem tem preparo físico e experiência. Nós levamos menos de 5 horas no total, incluindo o período de 1 hora que ficamos na cachoeira. Mesmo assim, vimos pessoas que aparentavam estar extremamente esgotadas na volta.
  2. Use calçados antiderrapantes e que protejam os pés.
  3. Leve um lanche e bastante água.
  4. Não esqueça protetor solar, chapéu e proteja-se do sol escaldante, já que a trilha é quase toda aberta e exposta ao sol.
  5. O ingresso custa R$ 15,00 para quem está com guia e R$ 25,00 para quem está sem (maio de 2017).
  6. Os guias cobram R$ 150,00 por grupo e podem ser encontrados no Centro de Atendimento ao Turista (CAT) no centro da vila de São Jorge. Se quiser deixar combinado antes com o Seu Dedé, o contato dele é (62) 99662-3779.
  7. Na vila de São Jorge não há postos de gasolina. Não esqueça de abastecer em Alto Paraíso.
  8. Cuidado ao subir nos mirantes para fotografar. Com atenção não há riscos.
  9. Preserve a Chapada dos Veadeiros e o meio ambiente.

 

Melhor época

 

A melhor época para visitar a Chapada dos Veadeiros é durante o período mais seco, de maio a setembro. Nessa época, as águas das cachoeiras ficam ainda mais cristalinas e há menos riscos de cabeças d’água. Mesmo assim, fique atento e a qualquer sinal de chuva, saia de perto das cachoeiras.

 

Como é a vila de São Jorge e onde se hospedar

 

São Jorge é a opção mais rústica se comparada com Alto Paraíso de Goiás e Cavalcante. Há muitas pousadas e restaurantes, e os que tivemos oportunidade de visitar eram ótimos. Com ruas estreitas de areia e aquele clima de paz, a vila vive do turismo e estava bem cheia no feriadão prolongado em que estivemos por lá. À noite, as luzes de vela, os sons ao vivo, o vai-e -vem de pessoas circulando dão um charme especial ao lugar. O clima é ameno à noite e a dica é andar a pé pela vila.

Nós ficamos hospedadas no Camping Taiuá Ambiental, que sem dúvida, é um dos melhores que já estivemos. Fica na rua principal da vila, a portaria é 24 horas e super organizada. O camping tem cozinha equipadíssima e áreas de convivência aconchegantes, é todo plano, tem banheiros suficientes e organizados. Além disso, oferece alguns tipos de massagem pagas à parte, e barracas já equipadas, que facilitam para quem viaja de longe.

Confira fotos e outras informações sobre o lugar nesse link, ou se preferir, veja outras opções de hospedagem na região e reserve na Booking.com através desse link. (Ao reservar através de nossos links você ajuda o blog vida sem paredes a continuar compartilhando dicas de viagem sem pagar a mais por isso. Obrigada!)

 

Como chegar à vila de São Jorge na Chapada dos Veadeiros

 

O aeroporto mais próximo da Chapada dos Veadeiros é o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek em Brasília, a cerca de 260 quilômetros da vila de São Jorge.

De carro a partir de Brasília, o acesso é pela BR-020, em direção à Formosa-GO. No trevo, é preciso seguir pela BR-010, sentido Alto Paraíso e após cruzar a divisa do Distrito Federal com Goiás, a BR-010 passa a se chamar GO-118. Logo no pórtico de entrada de Alto Paraíso está a conversão à esquerda em direção a São Jorge, pela GO-239, por mais 32 quilômetros de asfalto com ciclovia.


>> Se precisar alugar um carro para visitar a Chapada dos Veadeiros, escolha o ponto de partida e compare os preços de todas as locadoras através desse link.

 

>> É possível ir de ônibus até Alto Paraíso de Goiás através da viação Expresso Real, mas a disponibilidade de horários é reduzida. De Alto Paraíso até a vila de São Jorge o acesso pode ser de carona, translado ou ônibus. Consulte horários através do telefone da Rodoviária de Alto Paraíso: (62) 3446-1881.


Mirante da Janela, Chapada dos Veadeiros – GO | 1.000 metros de altitude
Data da viagem: maio de 2017

por Camila Coubelle

Sobre Vida sem Paredes

Um blog sobre descobertas e viagens, ou vice-versa.
Adicionar a favoritos link permanente.

2 Comments

  1. Adorei o post e já anotei todas as dicas. Viajo pra lá no mês que vem. Aguardo ansiosa agora o texto sobre a cachoeira Santa Bárbara. 😜
    Bj

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *