• Pacotes para Trilha Inca Machupicchu e Trilha Salkantay

A trilha da montanha Pedra do Sino de Itatiaia

 

 

A Pedra do Sino de Itatiaia (não confundir com a Pedra do Sino da Serra dos Órgãos) é uma montanha belíssima mas pouco explorada do Parque Nacional de Itatiaia, na Serra da Mantiqueira. A trilha para o topo dos seus 2.670 metros de altitude oferece visuais incríveis do parque, como o Maciço das Prateleiras e as Agulhas Negras. Como se não bastasse, ainda tem belos vales, formações rochosas incríveis, morros cobertos por capim, totens ao longo do caminho, ar puro e por sorte, um céu de um azul único.

Fizemos um circuito com um total de cerca de 23 quilômetros, começando no Posto Marcão, onde está a entrada para a parte alta do parque, passando pelo Circuito dos 5 Lagos, pelos Ovos de Galinha, e finalmente a Pedra do Sino de Itatiaia, que tem uma vista incrível da parte de trás das Agulhas Negras. Na volta, passamos pela Cachoeira do Aiuruoca, ao lado da Pedra do Altar, pela frente das Agulhas Negras, pelo Abrigo Rebouças, até o Posto Marcão.

Para chegar ao Posto Marcão, onde está a entrada do parque, é preciso seguir para a Garganta do Registro, próximo a Itamonte, cidadezinha do Sul de Minas cercada pelas montanhas da Mantiqueira. Resende é a maior cidade de referência perto de Itamonte. Da Garganta do Registro até a entrada no Posto Marcão são 13 quilômetros de estrada de terra em condições razoáveis (foi arrumada).

Confira mais detalhes sobre a trilha para Pedra do Sino de Itatiaia, que é o 9º ponto mais alto do país, e os visuais incríveis que ela oferece.

Pedra do Sino de Itatiaia vista do cume das Agulhas Negras

Galera no cume da Pedra do Sino. Foto: Erick Eas

A beleza das serras vistas durante a trilha

 

Trilha para a Pedra do Sino de Itatiaia

 

O céu azul desde cedo já nos dizia que a trilha seria incrível. Os contrastes dos morros cobertos de verde e das montanhas rochosas do Parna Itatiaia com o céu azul, juntamente com o mar de nuvens que cobre a serra formam um cenário paradisíaco para quem aprecia a natureza. Quando começamos a trilha, às 8h40, o sol aquecia o frio congelante do parque. Logo após o estacionamento, seguimos na trilha para o Abrigo Rebouças, e depois de percorrer cerca de quinhentos metros pelo caminho plano, avistando o morro do Couto e o morro da Antena, entramos à esquerda onde a placa sinaliza o Circuito  5 Lagos. Aí começa um infindável sobe e desce transpassando uma colina, com trilha demarcada com ripas de madeira pintadas de vermelho.

Avistamos o primeiro lago, mas nem todos são vistos na época, e nos surpreendemos com as montanhas do Sul de Minas. Ao fundo a Serra Negra e a Serra Fina, as Agulhas Negras e a Pedra do Altar nos mostrando a direção, além da própria Pedra do Sino ao longe à esquerda.

Depois de cerca de 3,5 quilômetros, chegamos na placa que indica a direção do Abrigo Rebouças e da Cachoeira do Aiuruoca. Seguimos por essa última, passando por trechos de charco até outra placa, a menos de 2 quilômetros, essa indicando a Serra Negra e a Trilha do Rancho Caído, pela qual seguimos, passando perto da Cachoeira do Aiuruoca, que deixamos para conhecer na volta. Há totens marcando o caminho.

Pedra do Altar ao fundo

Repare na ripa de madeira pintada de vermelho que indica o caminho

Um dos 5 lagos

Os Ovos de Galinha

Depois de cerca de 2 quilômetros, avistamos os Ovos de Galinha, curiosa formação rochosa com 2.400 metros de altitude. Fica no Vale do Aiuruoca e tem grandes pedras arredondadas cuidadosamente “ajeitadas” uma ao lado da outra. Bem perto está a passagem para a Pedra do Sino de Itatiaia.

Após alguns trechos de um capim gigante que nos cobria, começamos a última parte, um costão inclinado com uma subida pesada, percorrendo cerca de 1 quilômetro por rochas “salpicadas” até o cume da Pedra do Sino de Itatiaia. Esse é o trecho mais pesado de toda a trilha, por causa da subida íngreme.

Ao chegar, nosso primeiro passo foi procurar o livro de cume para registrar nossa gratidão em estar ali. A montanha está à esquerda das Agulhas Negras e nos chamou a atenção as pessoas que estavam no outro cume. Já na Pedra do Sino fomos o único grupo nesse dia. Seu cume rochoso é mais ou menos plano e cheio de milhares de pequenas crateras, canaletas enormes e fendas. Avistamos a Asa de Hermes, Pedra do Altar, Morro da Antena, Morro do Couto e as Prateleiras lá longe.

Última subida

Assinando o livro de cume – 9º ponto mais alto do Brasil

Pedra do Sino de Itatiaia. O livro de cume fica embaixo daquela primeira pedra lá no fundo.

Crateras e fendas no cume

Descer é sempre mais difícil, e de volta à Cachoeira do Aiuruoca, foi impossível resistir a um banho revigorante nas suas águas geladíssimas. A cachoeira parece um oásis depois de 12 quilômetros de caminhada pesada. À esquerda há uma descida meio escondida para o poço e ficamos maravilhados ao avistar esse presente da natureza.

São 40 metros de queda que depois de percorrer o vale deságua no Rio Grande, no sul de Minas Gerais.

Depois de um tempo ali, seguimos até a placa indicativa do Abrigo Rebouças e descemos por esse trajeto, avistando as Prateleiras, enquanto anoitecia. São cerca de 6 quilômetros da cachoeira até o Abrigo Rebouças e chegamos já era noite, mas seguir pela estrada de 3 quilômetros até o Posto Marcão é bem tranquilo, ainda mais com o céu tão estrelado que tivemos a sorte de presenciar.

Com um total de 21 quilômetros de trilha passando pela Pedra do Sino de Itatiaia, cumpri mais uma etapa do Projeto Vida sem Paredes nos 10 pontos culminantes do Brasil.

Cachoeira do Aiuruoca vista de cima

Um arco-íris para enfeitar

Cachoeira do Aiuruoca

 

Leia também: Na trilha para o Pico das Agulhas Negras em Itatiaia

 

Dicas para a trilha da Pedra do Sino de Itatiaia

 

  1. A trilha para Pedra do Sino de Itatiaia é pesada e requer bom preparo físico e experiência.
  2. O Parque Nacional de Itatiaia é limpo e organizado, com regras claras e específicas que contribuem para a segurança dos visitantes. Conheça mais detalhes sobre o parque, confira e respeite as regras de visitação no site
  3. Às 6h30 já tem uma fila de carros retirando suas senhas de atendimento para quando a portaria abrir, às 7h. Chegue cedo pois essa trilha é longa.
  4. A portaria da parte alta do parque (Posto Marcão) fica perto de Itamonte a cerca de 60 quilômetros da portaria da parte baixa, que fica em Itatiaia. Cuidado para não confundir.
  5. O ingresso do parque custa R$ 16,00 para brasileiros (abril/2017), mas se for visitar por mais de um dia, os valores ficam mais baratos. Confira também no site acima. Fique atento aos horários mínimos para entrada para visitação e saiba que há estacionamento gratuito lá.
  6. É recomendável contratar um guia para as trilhas do Parque Nacional do Itatiaia e indicamos o guia Levy [ WhatsApp (24) 99907-5167 ] por sua grande experiência, conhecimento da área, qualidade no atendimento, atenção e disposição em ajudar o visitante. Ele pode, inclusive, te auxiliar a encontrar a hospedagem e o resgate até a parte alta do parque, se for o caso.
  7. É possível se hospedar no Abrigo ou no Camping Rebouças dentro do parque, mas as vagas são poucas e é preciso reservar com antecedência. Há opções de hospedagem perto da Garganta do Registro e na estrada até a portaria do parque. Nós ficamos no Hostel Picus, um abrigo de montanha com quartos de casal, quartos coletivos e camping. O lugar é agradável e tem preço bem em conta. Fica a 5 quilômetros da Garganta do Registro, na BR-354 entre os Km 768 e 769 e o contato via WhatsApp é (35) 99114-2525.
  8. Confira outras opções de hospedagem na região e reserve na Booking.com através desse link. (Ao reservar através de nossos links você ajuda o blog vida sem paredes a continuar compartilhando dicas de viagem sem pagar a mais por isso. Obrigada!)
  9. Preserve o Parque Nacional de Itatiaia e o meio ambiente.




Melhor época

 

O Parque Nacional de Itatiaia pode ser visitado o ano todo, mas o melhor período para conhecer a parte alta é durante o inverno, quando há menos chances de chuva forte e raios. Mesmo assim, confira a previsão do tempo e só vá se estiver bom. A qualquer sinal de chuva, adie a trilha.

 

Como chegar na parte alta do Parque Nacional de Itatiaia

 

Os aeroportos mais próximos do Parque Nacional de Itatiaia são o Aeroporto RIOgaleão Internacional Tom Jobim e o Aeroporto Santos Dumont, ambos a pouco mais de 200 quilômetros. Resende é a maior cidade de referência perto de Itamonte, cidadezinha do Sul de Minas cercada pelas montanhas da Mantiqueira onde está a Garganta do Registro, a 1.669 metros de altitude. Ali há alguns estabelecimentos comerciais e placas sinalizando a estrada de terra até o Posto Marcão, onde está a entrada para a parte do Parque Nacional de Itatiaia.

De carro a partir do Rio de Janeiro ou de São Paulo, o acesso é pela Rodovia Presidente Dutra (BR-116) até o distrito de Engenheiro Passos. Em seguida, pela BR-354 em direção a Caxambu. Quem vem do Rio passa por Resende e Itatiaia, onde há um posto de pedágio (R$ 13,80 em abril/2017) e deve ficar atento à saída 330 em Engenheiro Passos. Já quem vem de São Paulo passa por Queluz e segue até a mesma saída. A Garganta do Registro está a 23 quilômetros daí, por uma estrada cheia de curvas, mas muita beleza.


>> Se precisar alugar um carro para visitar o Parque Nacional de Itatiaia, escolha o ponto de partida e compare os preços de todas as locadoras através desse link.

 

>> É possível ir de ônibus até Itatiaia ou Itamonte e nesse caso, vale a pena combinar um resgate de ida e volta até a entrada do parque. A viação Sampaio liga Rio de Janeiro a Itamonte, viação cometa liga Juiz de Fora a Resende e São Paulo a Itanhadu. Dessas duas últimas cidades há ônibus que passam em Itamonte. [ Alguns contatos: Taxi Mirinho Itamonte (35) 99117-1898 | Geraldo Viação Sampaio Itamonte (35) 99184-2303 ].


Pedra do Sino de Itatiaia – Parque Nacional de Itatiaia: 2.670 metros de altitude
Data da viagem: abril de 2017

por Camila Coubelle
 

Sobre Vida sem Paredes

Um blog sobre descobertas e viagens, ou vice-versa.
Adicionar a favoritos link permanente.

Um Comentário

  1. Parabéns pelo relato e riqueza de detalhes. Bons ventos!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *