• Pacotes para Trilha Inca Machupicchu e Trilha Salkantay

Conheça as melhores cachoeiras em Carrancas, MG

 

 

Quantas cachoeiras em Carrancas você quer conhecer? A simpática cidadezinha de quase 4 mil habitantes no sul de Minas Gerais impressiona pelo número de cachoeiras e por suas serras verdes, seus poços e grutas. São tantas opções que você pode fazer uma boa lista. É um dos destinos de ecoturismo mais recentes do Estado que oferece contato com a natureza e conserva o clima de interior.

A cidade que faz parte da Estrada Real e já foi cenário para várias novelas tem mais de 30 atrações mapeadas e atrai interessados em um pouco de descanso em um lugar de muitas belezas. Mesmo estando em uma região fria, o destino tem clima agradável. Fica a cerca de 286 quilômetros da capital, Belo Horizonte, e perto do Circuito das Águas e de cidades como Cruzília, Lavras e Tiradentes.

Conheça as diversas cachoeiras em Carrancas, onde se hospedar e algumas dicas.

Leia ao som da playlist que super combina com as cachoeiras:

 

Carrancas - MG

Pôr do Sol visto da estrada que leva ao Complexo da Zilda

Carrancas - MG

Carrancas

 

Atrações e cachoeiras em Carrancas:

 

  1. Complexo da Ponte

 

  • Atrações: Poço da Ponte, Cachoeira do Salomão, Cachoeira do Moinho e Gruta da Ponte
  • Onde? 2 quilômetros da cidade
  • Dica: nas cachoeiras pagas, leve dinheiro em espécie, de preferência trocado.

 

Cachoeira do Salomão

 

Pegamos a saída para Itutinga e entramos à direita. O local é movimentado e tem um camping que parecia estar bem cheio. A sinalização é que não é muito boa. Por estar em propriedade particular, o acesso às cachoeiras costuma ser pago. Nessa, pagamos R$ 5 cada uma. Depois de seguir por uma trilha leve, chegamos à primeira cachoeira, Salomão. Com uma boa queda d’água, ela não possui poços para banho, o que não diminui a beleza.

 

Cachoeira do Moinho

 

Seguimos pela trilha e chegamos a Cachoeira do Moinho. A queda não é grande, mas dá relaxar nos pequenos poços formados ao longo das pedras. Depois do banho de cachoeira resolvemos procurar a trilha para a Gruta da Ponte, mas tivemos informações desencontradas e não vimos placas. Acabamos desistindo, mas já está na lista para quando voltarmos.

 

  1. Complexo da Zilda

 

  • Atrações: Cachoeira dos Índios, Cascata da Zilda, Escorregador da Zilda, Racha da Zilda, Poço da Proa
  • Onde? 13 quilômetros da cidade
  • Dica: O Complexo da Zilda é cheio de atrações e dá pra ficar lá o dia todo, já que tem restaurante e estacionamento no local.

 

Cachoeira dos Índios

 

Esse é o complexo de cachoeiras mais famoso de lá. Tem 2 quilômetros no total e algumas trilhas. No camping mesmo nós conhecemos uma família de Ubá – MG, que acabamos encontrando por lá e nos enturmando. Chegamos bem cedo no complexo e pagamos R$ 3 pra entrar. Como ainda estava vazio, aproveitamos para relaxar na primeira cachoeira do complexo, a dos Índios. A queda é pequena, mas bem forte. Dá pra deitar, mergulhar, tirar fotos. E é realmente bem bonita. Atravessando pela água ou pela trilha, chegamos na Cascata da Zilda, simplesmente linda. A Camila se arriscou em chegar bem na beiradinha, perto da queda. Mas acho que rolou um medinho, viu. Descemos pelas pedras até a “praia”. A descida é meio ruim, mas nada que impeça de chegar. Ainda conseguimos chegar até a queda e ficar atrás da água. Vale a aventura (risos).

Cachoeira dos Índios

cachoeiras em Carrancas, Minas Gerais: Complexo da Zilda

Complexo da Zilda

 

Cascata da Zilda

 

Fomos com a família de Ubá até uma gruta do outro lado da queda. Não é muito legal ir sozinho, lá dentro existem trechos em que se pode precisar de apoio.

Depois da gruta, voltamos à “praia” e seguimos para outra cachoeira. Dá pra ir pela água mesmo, mas é bom tomar cuidado, pois as pedras são escorregadias (eu cai feio).

Chegamos à cachoeira da Proa, um complexo com uma descida imensa pela pedra. Lá embaixo tem um poço e uma pequena queda. Crianças felizes que somos, brincamos várias vezes de escorregar pela pedra. Mais a frente, tem um lago mais profundo e muito grande. Vale a pena também dar uma esticada até lá.

 

Escorregador da Zilda

 

Voltamos todo o trajeto pela trilha e fomos almoçar no restaurante do complexo. Pedimos porções de frango e fritas, mas também tem opções de almoço que servem até 4 pessoas. Dali, seguimos para o outro lado, rumo ao Escorregador da Zilda. Se nós nos divertimos lá na Proa com uma queda pequenininha, imagina um escorregador natural e muito maior. É só chegar lá em cima e se jogar. Farra garantida! Só que o local é disputado e precisamos enfrentar fila.

 

cachoeiras em Carrancas, Minas Gerais: Cascata da Zilda

Cascata da Zilda

cachoeiras em Carrancas, Minas Gerais

Camila arriscando a vida pra ver a queda de cima (risos)

cachoeiras em Carrancas, Minas Gerais: a Cachoeira da Proa

Nange sendo feliz da Cachoeira da Proa

 

  1. Chapada dos Perdizes e Serra das Broas

 

Depois do escorregador resolvemos explorar a área caminhando por uma trilha. Ela dá acesso à Chapada dos Perdizes e a Serra das Broas. Mas era impossível ir a pé, até porque, mesmo com o horário de verão, já era tarde. Encontramos um pessoal que estava subindo de caminhonete e eles nos deram carona até uma cachoeira, a 4 quilômetros dali. O caminho é péssimo, cheio de buracos (só depois descobrimos que existem passeios de 4×4 pra lá). Na volta fizemos todo o trajeto caminhando. Foi puxado, mas pudemos observar melhor o visual incrível dali. A trilha que fizemos fica bem perto do estacionamento do Complexo da Zilda.

cachoeiras em Carrancas, Minas Gerais: Trilha para a Chapada dos Perdizes

Trilha para a Chapada dos Perdizes

Última cachoeira antes da Chapada dos Perdizes

Última cachoeira antes da Chapada dos Perdizes

cachoeiras em Carrancas, Minas Gerais: Serra das Broas

Serra das Broas

 

  1. Complexo do Tira Prosa

 

  • Atrações: Poço do Remo, do Pulo e da Canoa
  • Onde? 2 quilômetros do centro da cidade
  • Dica: Nesses poços não há lanchonete ou restaurante e a entrada é gratuita.

 

No último dia, levantamos cedinho e fomos para o Complexo do Tira Prosa. O nome é uma homenagem a Sebastião Guimarães Monteiro, antigo morador que adorava “tirar prosa” com os visitantes da cidade. Ao invés de fazer o caminho mais comum entre os visitantes, deixamos o carro em certo ponto e demos a volta para visitar o vale começando pelo topo: em vez de subir pelo complexo, nós descemos. E foi lindo! Passamos pelos Poços do Remo, do Pulo e da Canoa. Todos bons pra banho. A chapada de pedra ao redor e a água cristalina encantam. O poço do Tira Prosa em si fica muito cheio e a água não é tão cristalina como lá em cima. Dali, voltamos a pé até onde estava nosso carro com a sensação de que vimos as mais encantadoras cachoeiras em Carrancas.

 

cachoeiras em Carrancas, Minas Gerais

Descida do Complexo do Tira Prosa

cachoeiras em Carrancas: Poço da Canoa

Poço da Canoa

 

  1. Complexo da Fumaça

 

  • Atrações: Cachoeira da Fumaça, Cachoeira Véu de Noiva, Cachoeira do Luciano, Cachoeira da Serrinha
  • Onde? 3 quilômetros do centro da cidade
  • Dica: a entrada é gratuita

 

Cachoeira da Fumaça

 

O ponto é parada obrigatória para quem vai a Carrancas, é o cartão-postal da cidade. O complexo tem várias piscinas naturais ao redor. A Cachoeira da Fumaça também já foi cenário de novela e impressiona com sua queda imponente de 15 metros. O único problema: o banho é proibido por conta da poluição das águas e o grande risco de afogamento. Infelizmente encontramos muitas pessoas ignorando os avisos.

 

cachoeiras em Carrancas: Cachoeira da Fumaça

Cachoeira da Fumaça

 

  1. Complexo da Vargem Grande

 

  • Atrações: Poço da Esmeralda, Poços da Vargem Grande
  • Onde? 9 quilômetros da cidade + cerca de 30 minutos de hikking leve
  • Dica: O tom da água fica perfeito ao meio dia, mas se quiser pegar a cachoeira vazia, chegue cedo!

 

Poço da Esmeralda

 

Um pouco mais a frente, está o Complexo da Vagem Grande, onde se encontra o Poço da Esmeralda. O espaço é muito disputado, quase não tem lugar pra estacionar o carro. Essa cachoeira tem um poço grande e ótimo para banho e um tom de água muito bonito. O caminho a pé é fácil e bem sinalizado, porém longo. Tinha tanta gente lá que mal dava pra ver a água, que dirá a cor dela, que, pelas fotos, sabemos ser de um azul pouco visto por aí.

Seguimos pela estrada de chão e voltamos pra casa com a certeza de que Carrancas será sempre um bom destino nas nossas agendas. O caminho de 68 quilômetros entre Cruzília e Carrancas é lindo. Passamos por várias fazendas históricas, como a Traituba, local onde D. Pedro I fazia suas caçadas. Ah, quem não tem costume de viajar por estrada de terra deve ficar atento aos “mata-burros”, são váááários (alguns em estado de conservação duvidoso).



Onde se hospedar em Carrancas

 

A cidade oferece algumas pousadas, chalés e campings. Nós ficamos no Camping Sossego do Jeca (WhatsApp 35 9891-0843), um lugar legal no centro da cidade, perto de tudo, limpo e organizado. Tem divisão de banheiros, masculino e feminino, coberturas individuais na área das barracas e dá pra colocar o carro do lado da barraca para facilitar. Isso sem falar na boa prosa do Cássio, o dono, que nos deu várias dicas sobre as cachoeiras em Carrancas.

 

>> Veja as opções de hospedagem em Carrancas e reserve na Booking.com através desse link. (Ao reservar através de nossos links você ajuda o blog vida sem paredes a continuar compartilhando dicas de viagem sem pagar a mais por isso. Obrigada!)

 

Como chegar em Carrancas

 

Quem vem de carro a partir de Belo Horizonte e São Paulo deve seguir pela Rodovia Fernão Dias até a saída 688 para Lavras, em seguida, pela rodovia BR-265 sentido São João del-Rei até Itutinga. Aí basta seguir por mais 26 quilômetros até Carrancas.
Para quem vem do Rio a melhor opção é pegar a BR-040, passando por Juiz de Fora até Barbacena. Depois, seguir pela BR-265 até Itutinga e de lá para Carrancas. Se você está no Circuito das Águas, siga para Cruzília e de lá para Minduri. De Minduri à Carrancas são cerca de 52 quilômetros.
 
>> Se precisar alugar um carro para visitar Carrancas, escolha o ponto de partida e compare os preços de todas as locadoras através desse link.
 
De ônibus é preciso ir para Lavras através da viação Expresso Gardênia a partir de Belo Horizonte ou São Paulo e viação Útil a partir do Rio de Janeiro. A partir de Lavras, a viação São Cristóvão (35 3821-0100) oferece dois horários por dia para Carrancas (segunda a sábado: 10h45 e 16h15 | domingo: 07h e 17h). Na volta também são dois horários por dia (segunda a sábado: 06h15 e 13h | domingo: 10h e 17h).

 
>> Faça uma cotação do seu seguro viagem através desse link e aproveite com tranquilidade. Use nosso CUPOM DE DESCONTO EXCLUSIVO e ganhe 5% de desconto no seu seguro.

Cupom: VIDASEMPAREDES5

 


 

Distâncias até Carrancas:
286 km de Belo Horizonte – MG
68 km de Cruzília – MG
241 km de Juiz de Fora – MG
421 km do Rio de Janeiro – RJ
411 km (Presidente Dutra) ou 430 km (Fernão Dias) de São Paulo – SP

 

Cachoeiras em Carrancas – MG: 3.948 habitantes | 1.600 m de altitude | 110V
Data da viagem: dezembro de 2014

por Nange sá

Sobre Vida sem Paredes

Um blog sobre descobertas e viagens, ou vice-versa.
Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *